quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Grupo Mutirão: Aves de Arribação

Programa da peça.

Ficha Técnica.

Este espetáculo foi montado em parceria com o Grupo Gangorra.

 Aves de Arribação de Aldo Leite. Direção Aldo Leite. Teatro Arthur Azevedo. São Luís/MA, 1983.

GRUPO GANGORRA: Cenas do Casamento

GRUPO GANGORRA: Como Revisar um Marido Oscar




GRUPO GANGORRA

Vinculado ao Departamento de Assuntos Culturais da PREXAE – UFMA, iniciou os seus trabalhos, em 1976, sob a orientação de Tácito Borralho, montando o espetáculo “O Canto do Piaga”, poema de Gonçalves Dias. Com a saída de Tácito assume Fernando Moreira que dirige uma serie de leituras dramáticas de autores nacionais e internacionais, entre eles Bodas de Sangue de Garcia Lorca. 
A partir de 1977 tem Aldo Leite como seu diretor cênico. Participando da Federação de Teatro do Estado do Maranhão,  desenvolveu, juntamente com os demais grupos filiados, uma intensa programação teatral nos bairros de nossa capital e cidades do interior, participando, ainda, anualmente, do Festival de Arte de São Cristóvão – Sergipe. Integravam o Grupo não só universitários como também pessoas da comunidade.


Com a ida de Aldo Leite, em 1982,  para São Paulo cursar Mestrado o grupo fica a cargo de seus integrantes convidando para coordená-los e dirigir as montagens teatrais os atores Afonso Arantes (ex-integrante do grupo), Lúcia Nascimento, José Inácio e Nerine Lobão e em 1990 o grupo é desativado.
Apresentou os seguintes espetáculos:
1976 - “O Canto do Piaga” de Gonçalves Dias;
1977 - “Em Moeda Corrente do País” de Abílio Pereira de Almeida; 
            " Três Atos para o Povo" de Marconi Caldas
1978 -  “Pedreira das Almas” de Jorge de Andrade;
1979 - “Aluga-se uma Barriga” de Jurandir Pereira;
            “ABC da Cultura Maranhense” de Aldo Leite;
1980 - “O Gato Errado” de Fernando Strático;
1981 - “A Maravilhosa Estória do Sapo Taró-Bequê” de Márcio de Souza;
1982 - “Zé Capim” de Ricardo Filgueiras;
1984 - “Estripulias na Ribalta” de Raimundo Mattos;
            “Os Mistérios do Sexo” de Coelho Neto;
1985  - “Como Revisar um Marido Oscar” de Oraci Gemba;
1987 - “Cenas do Casamentos” de Vários Autores;
1990 - "Um Raio de Luar" de Aldo Leite.

O grupo participou, também, dos espetáculos  “Os Saltimbancos” de Chico Buarque de Holanda, “Os Perseguidos”, de João Mohama e “Aves de Arribação” de Aldo Leite montados pelo Grupo Mutirão e, de Maria Arcângela” de Erasmos Dias pela FETEMA.

Além da montagem de espetáculos, o grupo desenvolvia cursos e laboratórios de artes cênicas abertos aos demais grupos da cidade; realização de concursos de textos teatrais, com a publicação dos premiados; assim como a descoberta de novos talentos. 






















GRUPO GANGORRA: Os Mistérios do Sexo

GRUPO GANGORRA: Estrepulias na Ribalta

GRUPO GANGORRA: Zé Capim

Programa da VII Mostra Maranhense de Teatro, estreia da peça.

Jorge Botão,Estrelinha, (Dasdores (de costa) Tony (sentados), Rosana Carvalho, Renato Pereira, Jaime Furtado e Jó Santos (em pé) em Zé Capim de Ricardo Filgueiras. Direção de Estrelhinha. Teatro Arthur Azevedo. São Luís/Ma, 1982.

Jó Santos (Cavalo1) e Renato Pereira (Cavalo 2) em Zé Capim de Ricardo Filgueiras. Direção de Estrelhinha. Teatro Arthur Azevedo. São Luís/Ma, 1982.

Dasdores, Jorge Botão, Rosana Carvalho, Tony (agachados), Jaime Furtado e Jó Santos (em pé) Zé Capim de Ricardo Filgueiras. Direção de Estrelhinha. Teatro Arthur Azevedo. São Luís/Ma, 1982.






 ZÉ CAPIM

O Grupo Gangorra, sobre a direção de Estrelinha está montando a peça “Zé Capim”. É um texto que apesar de retratar fatos políticos-sociais adapta-se perfeitamente ao mundo da criança, pois ele consegue captar a sua maneira, todas as mensagens da peça.
Atualmente questiona-se muito a forma de teatro infantil. Fica-se em dúvida quanto ao aspecto fantasioso, excitante, realista e moralisata, pois em todas essas formas são detectados erros e daí surge a dificuldade de escrever e montar espetáculos infantis.
A peça também, abrange o público adulto. E o aspecto mais importante é o fato dela ser também para adolescentes, pois há uma deficiência enorme de espetáculos que atinjam especificamente essa faixa etária, apesar de ser do conhecimento de todos que os adolescentes precisam dos questionamentos que uma boa peça possa trazer.
Retrata primeiramente uma tomada de consciência por parte do proletariado, depois a luta para derrubar “um senhor todo poderoso” que governa o país de uma maneira absolutista e egoísta.
Depois que conseguem derrubar o rei, sobe ao poder um homem do povo, que logo de início sente uma forte atração pelo poder e sente-se tentado à corrupção, mas é logo chamado pelo povo que lhe cobra uma atitude certa e realmente voltada aos problemas enfrentados por eles. E é com a ajuda deles que o “Novo Rei” consegue resolver todos problemas do país.
Um exemplo de Governo comunitário, onde todos são envolvidos no processo de governar.
Comparado com uma época, nosso país, enfim, com nossa realidade, cada personagem, cada cena, tem um significado real e particular.   

Zé Capim

Autor: Ricardo Filgueiras
Ano: 1982
Direção: Estrelinha

Elenco: Jaime Furtado (Zé Capim), Jô Santos (Cavalo 1), Renato Pereira (Cavalo 2), Miguel Veiga (Rei), Estrelinha (Pedra), Jorge Botão, Tony, Silvana Cartágenes, Rosana Carvalho, Dasdores, Jorge Tadeu (Povo)

Figurino e Cenário: Miguel Veiga
Coreografia: Reynaldo Faray
Música: Célia Leite e Jorge Tadeu

Zé Capim  fez temporada no Teatro Arthur Azevedo e apresentações nos bairros da capital e da zona rural.

In: programa da VII Mostra Maranhense de Teatro – 1982.
 

GRUPO GANGORRA: O Sapo Tarô-Bequê

Programa da VI Mostra Maranhense de Teatro

Programa da montagem em 1982, quando da apresentação por São Luís e Imperatriz.

Programa da peça.


O Texto de Márcio de Souza "A Maravilhosa Estória do Sapo Tarô-Bequê", foi selecionado após a leitura de uma dezena de textos nacionais. 

Mais uma vez, como todos os anos, o grupo realizou mais um Cursos de Iniciação Teatral, quanda uma nova leva de atores entraram para o elenco do grupo, participando dos cursos de Jogos Teatrais, Hstória do Teatro, Expressão Corporal, Expressão Vocal, Cenografia, Figurino e Caracterização. Estes cursos foram ministrados por Jaime Furtado, Aldo Leite, Rosa Almeida, Mundinha Freitas, Estrelinha e Miguel Veiga.

Os figurinos, adereços e cenários foram criados por Miguel Veiga, com a execução realizada pelos integrantes do grupo.

Neste ano participo da montagem  como Contra-Regra, ao lado de Dasdores.
O Sapo Tarô-Bequê foi apresentado em Imperatriz, Bacabal, Codó, Barra do Corda, Zé Doca, Rosário, Itapecuru-Mirim, Coroatá, Timbiras, entre outros municípios do estado. Em São Luís fez temporada no Teatro Arthur Azevedo e pelos bairros da capital e zona rural.

GRUPO GANGORRA: O Gato Errado

Cartaz da peça.

Programa da peça.
Jorge Mendes, Laura Victor, Jó Santos e Amazor Martins em O Gato Errado de Fernando Strático. Direção de Aldo Leite. Teatro Arthur Azevedo. São Luís/MA, 1980.



Para se chegar a estética de montagem de "O Gato Errado" de Fernando Strático, o Grupo Gangorra desenvolveu um Seminário de Dramartugia onde a estética de Bertold Breckt foi a inspiração. Após o seminário sobre a estética de "Estranhamento" de Breckt, o grupo resolveu montar o texto explorando em todo o seu desenvolvimento o método de Breckt de interpretação, resultando num espetáculo com um final definido pelo grupo, mas um ou dois finais de acordo com a pespectiva do público na solução do conflito entre professor versus aluno.

Para o grupo e para o público maranhense foi um novo avanco na busca de uma estética de interpretação e montagem, até então ainda vista em palcos maranhenses.

O espetáculo fez apresentações no Teatro Arthur Azevedo, Teatro do Anil, Teatro Itapycuraiba, Escola Técnica Rural do Maranhão, praças, fontes, barrações, escolas, sítios, becos, ruas, bairros da zona rural, e interior do estado, além de ser televisionado pela TVE.

GRUPO GANGORRA: ABC da Cultura Maranhense

Programa da peça.

Mundinha Freitas, Jó Santos, Amazor Martins, Iracema Cutrim, Tânia Trindade e Renato Pereira em ABC da Cultura Maranhense com direção e autoria de Aldo Leite. São Luís/MA, 1979.

Ficha Técnica

ABC da Cultura Maranhense de Aldo Leite, fez uma longa carreira de apresentações por teatros, auditórios, praças, fontes, becos, zona rural e interior maranhense. Com um texto picante, satírico e crítico tormou-se sucesso de público e crítica por onde passava. Junto com Aluga-se uma Barriga de Jurandir Pereira fez longa temporada nos palcos maranhenses.

GRUPO GANGORRA: Aluga-se uma Barriga

Programa da peça.


Ficha Técnica.


Renato Pereira (Jornaleiro), Ruy Robson (Pastor) e Joana Costa (Cesarina) em Aluga-se uma Barriga de Jurandir Pereira. São Luís/MA, 1979.

Aluga-se uma Barriga de Jurandir Pereira foi selecionada para montagem, após a leitura de uma dezena de textos de autores nacionais e maranhenses.    

Foram realizadas oficinas de criação de adereços, figurinos e cenários que resultaram na plasticidade do espetáculo, surpervisionados por Miguel Veiga.
O espetáculo se apresentou no Cine-Teatro Viriato Corrêa, Auditório Jarbas Passarinho, Teatro do Anil, ruas, becos, praças, bairros da Zona Rural e no município de Paço do Lumiar.